Luz Azul: o que é e como se proteger

Luz Azul: o que é e como se proteger

Desde que você acordou, quanto tempo já passou conectado à internet? O Brasil é o segundo país que passa mais tempo conectado à internet, perdendo apenas para as Filipinas. Ficamos de 6 a 10 horas por dia online, mais tempo do que passamos ao ar livre. Mas, o que isso quer dizer? Quando estamos conectados, a luz artificial do computador, celular ou tablet também prejudica a saúde da nossa pele. Essa luz emitida por aparelhos eletrônicos e lâmpadas de LED é conhecida como luz azul, confira neste post o que é a luz azul, os perigos e como podemos se proteger da luz azul.

O que é a luz azul

A luz solar é composta pela luz azul, vermelha, laranja, amarela, verde e violeta. Quando misturamos todas as cores, temos a luz branca, a qual enxergamos. Já a luz azul é um intervalo do espectro de luz visível ou melhor, da luz branca que enxergamos. Ela emite um comprimento de onda curto que penetra profundamente em nossa pele, até mais do que os raios UVA e UVB. 

Os perigos da luz azul 

O sol emite mais luz azul do que os aparelhos eletrônicos, porém, hoje em dia, ficamos mais tempo online do que expostos à luz natural. Por isso, a luz azul provoca alterações nas células encarregadas pela pigmentação, causando danos que resultam em melasma e manchas escuras na pele. Além disso, ela diminui a produção de colágeno. A luz azul também afeta os nossos olhos: ela danifica a retina e prejudica a qualidade do sono, já que a luz estimula o cérebro a ficar em modo alerta, diminuindo a produção de melatonina (o hormônio do sono).

A luz azul também compromete nosso sono de beleza ao interromper nosso ritmo circadiano natural. Se exposto a quantidades significativas de luz azul à noite, por exemplo, você pode achar mais difícil adormecer porque a luz azul afeta o nível de melatonina, nosso hormônio do sono. A exposição à luz azul à noite pode alterar o ritmo circadiano natural da pele ‘fora de sincronia’, fazendo com que as células da pele continuem a ‘pensar ‘é dia, impactando seu processo natural de reparo noturno, o que pode levar a sinais visíveis de envelhecimento e até olheiras escuras.

Como posso me proteger da luz azul?

Se você quer realmente prevenir o envelhecimento prematuro, os especialistas dizem que a proteção contra os raios UVA e UVB não é mais suficiente, já que pesquisas em evolução confirmam que a luz azul – emitida pelo sol e por nossos dispositivos digitais – também é ruim para a nossa pele. Estamos vendo dados crescentes sobre os danos potenciais de longo prazo da luz visível, e em particular da luz azul, em nossa pele, isso acontece à medida que estamos cada vez mais apegados aos nossos dispositivos digitais, sendo rapidamente rotulados de agers silenciosos de nossa geração. A luz azul apresenta danos potenciais à pele por meio da geração de radicais livres. Isso pode contribuir para o envelhecimento da pele, como a exposição aos raios UVA, a luz azul tem a capacidade de penetrar mais profundamente na pele em comparação com a luz UVA e UVB. 

Programe o computador, celular e a televisão para o modo noturno e tente ajustar o brilho da tela para um nível que seja confortável para seus olhos. Se não tiver essa opção, tente se distanciar das telas a cada duas horas. Assim, além de não prejudicar os olhos com a alta densidade de energia emitida, a qualidade do seu sono irá melhorar. Não esqueça de aplicar o protetor solar todos os dias, mesmo quando estiver em casa. Se possível, utilize hidratantes específicos que auxiliam a diminuir a absorção de luz azul na pele. 


Publicação Mais Antiga Publicação Mais Recente