Nandyala Gama: jogadora profissional de vôlei compartilha sua trajetória no esporte

Nandyala Gama: jogadora profissional de vôlei compartilha sua trajetória no esporte

Convidamos a jogadora profissional de vôlei, Nandyala Gama, para contar a sua história dentro e fora das quadras e como ela lida com o autocuidado no dia a dia. Uma inspiração de sucesso para todos os glowies! 

1) Como começou sua paixão pelo vôlei?

“Minha paixão pelo vôlei começou quando fui para o Minas Tênis Clube. Eu fui apresentada ao voleibol no Flamengo, onde eu comecei a jogar e me encantar com o esporte, mas a paixão veio mesmo quando fui para o Minas. Lá eu tive a oportunidade de ver de perto os melhores atletas, times e competições e comecei a entender sobre o mercado profissional do voleibol.”

Créditos: @_psports

2) Qual foi o jogo mais marcante da sua carreira?

“Tenho alguns jogos que foram muito marcantes na minha carreira, mas um que eu tenho muito carinho foi um jogo pela faculdade onde ganhamos do Colorado State, que era o número 1 da nossa liga enquanto nós éramos a galera que brigava lá embaixo na tabela. Foi em Outubro, nosso uniforme era super rosa choque para chamar atenção para a Conscientização do Câncer de Mama, ou seja, esse dia já tinha um significado muito importante para nós como mulheres e ainda finalizamos a partida com uma vitória super importante para o time.”

3) Na passagem da sua carreira pelos Estados Unidos jogando pela San José University, você teve algum choque cultural?

“Não. Eu já saí do Rio de Janeiro esperando ver algo totalmente novo e diferente na Califórnia. Quando cheguei lá vi que realmente haviam algumas diferenças de cultura, mas também vi muitas semelhanças com o Brasil. A maior semelhança pra mim é a diversidade cultural na Califórnia, então foi muito fácil de me adaptar, fora que meu time de vôlei era muito unido e nos ajudávamos muito.”

4) Qual a sua maior inspiração?

“Foluke Akinradewo, central Norte-Americana.”

Créditos: melhordovolei

5) Como você está conciliando sua carreira com a pandemia?

“Durante a temporada na Superliga, nós tivemos que seguir algumas regras estabelecidas pela Confederação Brasileira de Voleibol, pelo Esporte Clube Pinheiros (que era o clube que eu estava jogando) e mais algumas pelo nosso técnico. Foi um desafio mas nos adaptamos rápido. Agora nas férias minha rotina tem sido supermercado e me exercitar na orla.”

6) Como você se relaciona e mantém o autocuidado?

“O autocuidado é tudo aquilo que faz sentido para uma vida cada vez mais saudável e tranquila. Se você tem algum hábito e tem dúvidas se aquilo realmente te faz bem, ou se vc só está fazendo porque todo mundo faz, questione. Se precisar, experimente algo novo e veja como se sente… Está tudo bem mudar do nada! Seja na forma de se alimentar, na rotina de exercício físico que você faz, nos cuidados com a pele, nas pessoas que te cercam, etc… Não é sobre se pressionar para tentar entender o que é certo para você, mas sempre na busca por algo que faça sentido para você ter uma vida mais saudável.”

8) Qual é o seu hobby favorito fora das quadras?

“Eu amo cozinhar!”

6) Qual conselho você daria para alguém que está começando a carreira jogando profissionalmente?

“Use a internet a seu favor! Assista a jogos de países diferentes e conheça a rotina das melhores jogadoras do mundo.”

 


Publicação Mais Antiga Publicação Mais Recente